HOSPEDADO NA TASK -
HOSPEDAGEM DE SITE
E-MAIL PROFISSIONAL
REGISTRO DE DOMÍNIOS
SERVIDOR VIRTUAL
HOSPEDAGEM DE SERVIDOR

UNIÃO INTERNACIONAL DOS CAPELÃES EVANGÉLICOS DO BRASIL

Fé União Comunhão e Ação Social

institutomissaodapaz@hotmail.com - www.missaodapaz.com.br - (19) 92002-1744

 

 

Seja bem-vindo(a)

 

Obrigado por sua visita.

 

Comando Preparatório de Capelães Militar

Entidade a Nível Capelania Teológica Universitária

 

TEMOS DECLARADOS NOSSOS DEPOIMENTOS E TODA NOSSA DOCUMENTAÇÃO A 7ª BRIGADA DE INFANTARIA MOTORIZADA DO RN, POLICIA FEDERAL - RN, MINISTERIO PUBLICO DO RN NA 25ª PROMOTORIA E 32ª PROMOTORIA, MINISTERIO PÚBLICO DO TRABALHO, VARA DA INFÂNCIA E DA JUVENTUDE, 21ª PROMOTORIA DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE.

NOSSOS UNIFORMES ESTÃO PROTOCOLADOS NA BASE AEREA DE NATAL (FAB), 3º DISTRITO NAVAL (MB), 7ª BRIGADA DE INFANTARIA MOTORIZADA, POLICIA MILITAR DO RN, POLICIA MILITAR DE PE, SÃO DELIBERADOS PELA POLICIA MILITAR DO RIO GRANDE DO NORTE E PELO EXERCITO BRASILEIRO COM DOCUMENTO EMITIDO DE BRASÍLIA-DF PELO MINISTÉRIO DA DEFESA A NOSSA INSTITUIÇÃO E PATENTES COM DIREITOS AUTORAIS ESTANDO COM DOCUMENTAÇÕES DE ACORDO COM NOSSA LEGISLAÇÃO BRASILEIRA E DE ACORDO COM NOSSAS LEIS NO TERRITÓRIO NACIONAL.



Leia mais: https://www.marechalribeiro.com.br/contatos/

Curso de Oficiais  -  Núcleo de Treinamento  e Preparação de Oficiais de Capelania Pré-Militar

Estamos dando o treinamento  principal Básico para o capelão estar apto  a usar fardamento,de passeio,ou seja funcional, ou de gala. 

 

Instrução: Estudo Teórico minimo 3 meses.

 Na pratica Ordem Unida em 90 dias minimo de 30 dias Carga horaria 60 h . 

Aprender na pratica na hora da ordem unida,Hierarquia e Ética.,Obs. Primeiros Socorro aprender na pratica também.

 

CAPELANIA MILITAR!

 


O Capelão Militar  e Capelão Militar civil   , talvez ainda é o capelão mais seguro, em relação às leis do país que o assegura a exercer com veemência, no sentido acima da existência da lei do voluntariado, mas a do exercício religioso, a capelania tem ainda leis federais, que além de apoio, disponibiliza nos meios do governo, recursos para contratação profissional desses capelães -Militar de cunho civil, que possuem formação teológica superior e alguns requisitos que o admita para a corporação a fim de exercer a função da capelania militar.


É muito gratificante ainda saber que mesmo não sendo concursado, em alguns casos ocorre o voluntariado na de área de capelania militar, fazendo assim o mais nobre trabalho, tendo a disposição de servir, e aproveitam para vivenciar experiências para Deus em função de empreender a sua Palavra em vários ambientes ligados à área Militar e Civil.

 

 

Academia Preparatória de Capelania pré-Militar

UNIÃO INTERNACIONAL DOS CAPELÃES EVANGÉLICOS DO BRASIL

 

​Tem a finalidade de defender, proteger e  promover o meio ambiente como instrumentos de fortalecimento da cidadania, de transformação social na busca do desenvolvimento sustentável, a partir de ações isoladas ou em parcerias com instituições Públicas e privadas, tendo como foco a proteção do meio ambiente, e a formação de Capelães MILITARES.  Pela Academia Autad Preservando o patrimônio cultural material e imaterial expresso em monumentos, lugares, grupos e comunidades de relevante interesse socioambiental.

UNICEBRA

 

 

 

O Curso é destinado a todos os Obreiros do Senhor Jesus Cristo. Seminaristas, Músicos, Profissionais Liberais, Diáconos, Missionários, Líderes Presbíteros, Evangelistas, Pastores Cristãos que desejam se preparar para esse ministério e deseja serem voluntários no trabalho da Capelania, em Hospitais, Escolas, Presídios e na comunidade.

A Capelania consiste em uma Assistência Religiosa e Social nos serviços Civis e Militares, prevista e garantida pela Constituição Federal de1988, sob a Lei 6923 Art. 5 e Inciso VII. A prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva, no âmbito do estado e federação é garantida aos representantes de todas as crenças religiosas, atendidos os requisitos previstos neste artigo da Lei nº 3.540, de 11 de janeiro de 2005 e no presente Decreto.

JUNTE-SE A NÓS!!

Curso de Formação  e Treinamento pela  Academia Preparatória de  Capelães Militar-UNICEBRA

JUNTOS SOMOS MAIS FORTE!


MAIS INFORMAÇÕES

O CURSO É APOSTILADO

MASTER EM TEOLOGIA

FORMAÇÃO EM CAPELANIA GERAL

MANUAL DE SOBREVIVÊNCIA
PROJETOS SOCIAIS
ESTATUTO DO IDOSO
ESTATUDO DA CRIANÇA E DO ADOLESCENTE
LEI MARIA DA PENHA
EDUCAÇÃO, MORAL E CÍVICA
CAPELANIA PRISIONAL
CAPELANIA HOSPITALAR
CAPELANIA ESCOLAR
CAPELANIA JOVEM
CAPELANIA MILITAR
CAPELANIA INSTITUCIONAL


(Academia de Capelania Pré Militar do Brasil). Essa conceituada Aliança, que vem sendo reconhecido no Brasil e no mundo como instituição agregadoras dos Pastores Capelães Pré-Militares integrantes da Marinha do Brasil, Exército Brasileiro, Força Aérea Brasileira, das Polícias e Corpos de Bombeiros Militares de todo o Brasil, bem como atualmente das dezenove Denominações Evangélicas brasileiras possuidoras de Pastores Capelães Militares.

Juntamente com a Diretoria Executiva da Academia Brasileira de Capelães Pré-Militares, o nosso desejo é realizar um trabalho que dignifique o nome do Senhor dos Exércitos nesses próximos anos que iremos vivenciar juntos, buscando sempre fazer o melhor a cada dia para o Senhor Jesus.

Nosso objetivo é que todo trabalho difundido neste site nos sirva de espaço de relacionamento destinado à troca de experiências, à reflexão, estudo, consultas e posicionamentos relacionados aos assuntos atinentes à prestação de Assistência Religiosa e Espiritual no âmbito das Forças Armadas e Auxiliares e Civis da nossa sociedade brasileira.

Permanecemos abertos às suas sugestões e críticas, pois, acima de tudo, o nosso desejo é glorificar o nome daquele que nos arregimentou para essa grande missão, a saber, Jesus Cristo, o Senhor dos senhores!


LEI DA CAPELANIA NO BRASIL

CONSTITUIÇÃO FEDERAL / 1988

Art. 5º - Todos são iguais perante a lei, sem distinção de qualquer natureza, garantindo-se aos brasileiros e aos estrangeiros residentes no País a inviolabilidade do direito à vida, à liberdade, à igualdade, à segurança e à propriedade, nos termos seguintes:
VII - é assegurada, nos termos da lei, a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva.

(CURSOS DE CAPELANIA MILITAR)
Capelania consiste em uma Assistência Religiosa e Social prestada aos serviços Civis e Militares, prevista e garantida pela Constituição Federal de 1988, sob a Lei 6923 Art. 5 e Inciso VII.
A Capelania vem ganhando força nos últimos anos pelas Lideranças Evangélicas, pois instituições como hospitais, presídios, escolas, universidades vêm se preocupando com a qualidade no atendimento às pessoas com carências espirituais, afetivas e emocionais, que necessitam de pessoas que lhes proporcionem estímulo e entusiasmo. O Curso de Capelania é um dos Cursos mais procurados pelas Lideranças Evangélicas do país e do mundo.

PÚBLICO ALVO:
O Curso é destinado a todos os cristãos que desejam se preparar para esse ministério e desejam serem voluntários do trabalho de Capelania em Hospitais, Escolas, do trabalho de Capelania em Hospitais, Escolas, Presídios e outros. Membros de igrejas evangélicas, profissionais da saúde, Militares, Pastores, Missionários, Evangelistas, Presbíteros, Diáconos, Seminaristas, Músicos, Profissionais Liberais, Líderes de forma geral.

DECRETO Nº 30.582, DE 16 DE JULHO DE 2009
Regulamenta a prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva de que trata a Lei nº 3.216, de 05 de novembro de 2003, alterada pela Lei nº 3.540, de 11 de janeiro de 2005 no âmbito do Distrito Federal.

O GOVERNADOR DO DISTRITO FEDERAL, no uso das atribuições que lhe confere o artigo 100, incisos VII e XXVI, da Lei Orgânica do Distrito Federal,

DECRETA:
Art. 1°. A prestação de assistência religiosa nas entidades civis e militares de internação coletiva, no âmbito do Distrito Federal é garantida aos representantes de todas as crenças religiosas, atendidos os requisitos previstos neste Decreto.
§ 1º A prática de culto envolvendo cerimônia coletiva será realizada em local apropriado da entidade civil ou militar de internação coletiva, disciplinada em regulamentação pelo órgão governamental específico.
§ 2º Em situação de urgência, a assistência religiosa poderá ser prestada fora do horário normal de visita.
§ 3 º A atuação religiosa não poderá implicar em ônus para os cofres públicos nem para as entidades privadas afins.

Art. 2º. Constituem, dentre outros, serviços de assistência religiosa:
I – trabalho de evangelização e pastoral;
II – aconselhamento;
III – orações;
IV – ministério de comunhão;
V – unção de enfermo;
Parágrafo Único - A assistência religiosa poderá ser ministrada:
I – ao paciente internado em hospital da rede publica ou privada;
II – ao recluso internado em estabelecimento penitenciário ou similar do Distrito Federal.

Art. 3º. Nenhum paciente acolhido em entidade civil ou militar de internação coletiva do Distrito Federal será obrigado a participar de atividade religiosa ou a aceitar o serviço religioso.
Parágrafo único – Na impossibilidade do interessado direto se manifestar, a anuência poderá ser suprida por ente familiar próximo ou acompanhante presente no ato da assistência.

Art. 4º. Fica garantido o acesso do representante credenciado à dependência da entidade de internação coletiva para fins de prestação de assistência religiosa que possua as condições elencadas no artigo da Lei nº 3.540, de 11 de janeiro de 2005 e no presente Decreto.
§ 1º Salvo autorização especial a ser dada pelo responsável da unidade hospitalar, não é permitido o uso de instrumento musical durante a atividade religiosa.
§ 2º Fica suspenso o serviço religioso no estabelecimento hospitalar durante a assepsia do paciente ou no momento em que lhe estiver sendo aplicado medicamento, devendo ser aguardada a liberação do local pelo serviço de enfermagem ou autoridade médica responsável.

§ 3º O acesso do representante religioso no setor de terapia intensiva da entidade civil ou militar de internação coletiva ficará condicionado à determinação da autoridade de plantão.
§ 4º. As restrições contidas nos parágrafos anteriores não se operam no caso de unção de enfermo.

§ 5º É assegurado ao paciente internado em hospital da rede privada vinculado a uma crença religiosa distinta da dele, solicitar ao responsável pelo estabelecimento, a presença de membro de sua crença, para prestação de serviços de assistência espiritual.

§ 6º O acesso ao estabelecimento penal deverá obedecer às normas de segurança e disciplina interna, respeitadas as peculiaridades da instituição, cabendo a Secretaria de Segurança Publica do Distrito Federal regulamentar a matéria mediante Portaria especifica.
§ 7º. O credenciamento do representante da entidade de que trata o caput deste artigo, será suspenso a qualquer tempo a pedido da instituição religiosa a que estiver vinculado.

§ 8º. É vedado ao Representante de entidade religiosa ingressar nas dependências de entidade de internação coletiva de natureza penal portando telefone pessoal, filmadora, máquina fotográfica ou qualquer outro equipamento eletrônico, salvo autorização expressa do responsável pelo órgão.

Art. 5º. A entidade religiosa interessada em ministrar assistência religiosa em estabelecimento de internação coletiva deverá realizar o seu cadastramento no órgão competente e indicar os seus representantes, para fins de credenciamento, na forma determinada pelo órgão especifico, devendo adotar, no mínimo, as seguintes providencias, mediante fotocópias autenticadas:

I – Para registro da entidade religiosa;
a) Estatuto social devidamente registrado em Cartório de Registro de Pessoa Jurídica;
b) Ata de eleição e posse de seus dirigentes, devidamente registrada perante o Cartório de
Registro de seus atos constitutivos;
c) Cadastro Nacional de Pessoa Jurídica;
d) Termo de Identificação, de idoneidade e Responsabilidade, subscrito pelo órgão competente ou majoritário de representação da Associação Religiosa.
II – Para a indicação de representante para ministrar a assistência religiosa:
a) carteira de identidade;
b) comprovante de residência;
c) comprovante da condição de membro de instituição religiosa há pelo menos seis meses.
§ 1º São requisitos para a indicação de representante da entidade religiosa:
a) ser maior de 18 anos;
b) estar no exercício de seus direitos civis e políticos;
c) estar em condição regular no pais, se estrangeiro;
d) possuir idoneidade moral ilibada.

§ 2º Na entidade de internação coletiva de natureza penal, em face de sua natureza, poderá ser exigido requisito de representante, dentre outros de: não ser egresso e de não possuir vinculo de parentesco com interno de qualquer dos estabelecimentos penais do Distrito Federal.

§ 3º Além dos requisitos para expedição de credencial previstos neste Decreto, poderá a Secretaria de Estado ao qual o ente esta vinculado estabelecer outros requisitos, em face de peculiaridades de cada ente, devendo fazê-lo mediante.

PORTARIA ESPECIFICA.
Art. 6º. O religioso que prestar assistência nas entidades definida no art. 1º deverá, em suas atividades, acatar as determinações legais e normas internas de cada entidade de internação coletiva, a fim de não por em risco as condições do internado, dos prestadores de serviços na internação e a segurança do ambiente.

§ 1º O acesso às dependências da entidade de internação coletiva, fica condicionado à apresentação, pelo representante da entidade religiosa de credencial específica, fornecida pelas Secretarias de Saúde ou de Segurança Pública do Governo do Distrito Federal.

§ 2º. A entidade de assistência religiosa já cadastrada junto a entidade de internação coletiva deverá realizar o recadastramento na forma deste Decreto, inclusive o recredenciamento de seus representantes.

§ 3º Será mantido cadastro da entidade religiosa e dos credenciamentos outorgados à seus representantes caso sua documentação atual possibilite o registro e o credenciamento de seus representantes, nos órgãos próprios da Secretaria de Estado de Saúde ou da Secretaria de Estado de Segurança Pública do Distrito Federal.

Art. 7º. No caso de comportamento incompatível do representante da entidade religiosa com as finalidades do credenciamento, a autorização poderá ser suspensa pelo prazo de até 90 (noventa) dias, garantido o direito de defesa ao imputado.

§ 1º. Na mesma suspensão poderá incorrer o representante religioso que provocar disputa ou confronto entre as celebrações com membros de outra entidade religiosa.

§ 2º. A suspensão do credenciamento será comunicada à entidade à qual pertença o religioso.

§ 3º. O prazo de suspensão poderá ser interrompido por ato do Secretário da respectiva Pasta mediante requerimento da entidade de assistência religiosa.

§ 4º. Na hipótese de reincidência, o credenciamento poderá ser cancelado.

§ 5º. Os casos omissos e excepcionais a essa legislação serão analisados pela autoridade que dirige cada entidade civil ou militar.

Art. 8º. Este regulamento deverá ser afixado, de forma visível, em locais de acesso ao público aos estabelecimentos, preferencialmente nas portarias.

Parágrafo único - Pelo descumprimento do disposto neste artigo, será aplicada ao responsável pela instituição multa de valor de R$ 500,00 (quinhentos reais) dias, que deverá ser recolhida aos cofres do Tesouro dentro do prazo de 30(trinta) dias a contar de sua notificação, garantido o amplo direito de defesa.

Art. 9º. Fica sem efeito a Portaria nº 129, de 08 de setembro de 2004, da Secretaria de Estado de Saúde do Distrito Federal.

Art. 10. Este Decreto entrará em vigor na data de sua publicação.


Brasília, 16 de julho de 2009
121° da República e 50° de Brasília
JOSÉ ROBERTO ARRUDA.